Navegador por categoria

Bebê

A SUPLEMENTAÇÃO DE VITAMINAS DURANTE A GESTAÇÃO

dezembro 14, 2017

A gravidez é um momento tão mágico na vida de uma mulher, não só pela realização da maternidade, mas também por todas as transformações que o corpo sofre ao conceber um novo ser, uma nova vida!

E durante esse período, muitos cuidados com o próprio corpo devem ser tomados. Além das mudanças externas que percebemos em nosso corpo, um turbilhão de mudanças internas acontecem durante esse período, mudanças essas que exigem uma atenção especial . Uma delas é a necessidade em manter as vitaminas e mineiras dentro das doses adequadas. Muitas alterações metabólicas acontecem no organismo da mulher durante a gravidez e por isso a parte dos nutrientes precisa ser muito bem monitorada e avaliada pelo seu médico.

Especialmente durante a primeira gestação, muitas mulheres podem se perguntar: “Mas por que eu preciso de uma suplementação vitamínica?”

O ideal é que o aporte de vitamina fosse garantido somente através de uma alimentação equilibrada, porém muitas vezes isso não é possível. Seja pelos enjoos no início da gravidez, pela correria do dia-a-dia e pouco tempo para comer bem, ou até mesmo porque alguns nutrientes não são supridos mesmo adotando um cardápio saudável – como é o caso do ácido fólico. Daí o motivo pelo qual a prescrição de suplementos vitamínicos tem se tornado cada vez mais comum nos consultórios. Porém, vale lembrar que isso não significa que a prática vale para todas as futuras mamães. Tudo vai depender e será baseado em exames pelo seu médico. Sempre, e queremos dizer SEMPRE, você deve consultar seu obstetra antes de iniciar qualquer tipo de suplementação.

Listamos abaixo algumas vitaminas que são importantes serem mantidas dentro dos níveis ideais durante a gravidez:

VITAMINA A

Participa do desenvolvimento das células, coração, aparelho circulatório e digestivo do bebê.
Onde encontrar: Óleos de peixe, gema de ovo, frutas vermelhas e amarelas, vegetais amarelos, vermelhos e verde escuros.

COMPLEXO B

Essa família inclui as vitaminas B1, B2, B3, B6, B12 e o ácido fólico. Elas contribuem para a formação de células novas. A vitamina B6 ajuda no desenvolvimento do sistema nervoso do bebê e a B12 é importante para a produção de células vermelhas no sangue.
Onde encontrar: Vegetais, grãos integrais, carne, peixe e leite.

VITAMINA C

Essa vitamina ajuda a produzir tecidos novos, portanto é fundamental para o desenvolvimento do bebê. Além disso, ela ajuda o organismo a absorver o ferro dos alimentos.
Onde encontrar: Frutas cítricas, papaia, vegetais verdes e batatas.

VITAMINA D

É fundamental para a absorção do cálcio e para o desenvolvimento dos ossos e dentes do bebê.
Onde encontrar: Peixes de carne gordurosa, como salmão, ovos, margarina e manteiga. Mas lembre-se: tomar banho de sol nos braços e pernas por 15 minutos sem protetor é fundamental para sintetizar essa vitamina.

VITAMINA E

É antioxidante que ajuda a defender as células.
Onde encontrar: Germe de trigo, gema de ovo, sementes, margarinas, nozes e vegetais verdes.

Além disso, pesquisas recentes reforçaram a importância do consumo do óleo de peixe, rico em ômega 3, para a inteligência da criança e da manutenção de níveis adequados de vitamina D no organismo, o que diminuiria a probabilidade de o bebê nascer com baixo peso. A suplementação desses dois nutrientes, porém, não é consenso entre os obstetras. Em alguns casos, as gestantes são orientadas a tomar suplemento de ferro, para evitar anemia no pós-parto.

Quarto compartilhado (menina + menino)

novembro 9, 2017

Com o surgimento de apartamentos cada vez menores e o crescimento da família, está cada vez mais comum que os irmãos (menino e menina) tenham que dividir quartos.

E quando surge esta necessidade os pais ficam cheios de dúvidas de como decorar o quarto para que atenda as necessidades dos irmãos de sexo diferente e até  idades diferentes, por isso hoje vamos mostrar algumas inspirações e dicas de como deixar o quarto dos seus filhos o mais aconchegante possível.

Dicas:

  • Quanto menor o quarto opte por móveis planejados para que se possa aproveitar o espaço.
  • Opte por uma base neutra nas paredes ( branco, cinza…) e utilize os acessórios como roupas de cama, almofadas, adesivos na parede, quadros, nichos e etc.. para dar a personalidade do quarto.
  • Evite pintar cada lado de uma cor isto faz com que o quarto pareça menor.

Soninho do bebê: Como acontece?

outubro 31, 2017

Os bebês também sonham! Sonham mais do que imaginamos! Também passam por fases de sono leve e sono profundo, assim como os adultos!

Os bebês necessitam de mais horas de sono por dia, e cada ciclo de sono dura cerca de 50 a 60 minutos até os 3 meses, quando o ciclo passa a ser de mais ou menos 1 hora e meia, como nos adultos.

Adultos e bebês normalmente têm, em média, cinco ciclos de sono por noite, nos quais é na etapa chama REM (rapid eye movement, ou movimento rápido dos olhos) em que geralmente acontecem os sonhos!

A fase REM do bebê é considerada a fase ativa do sono, sono leve, na qual despertam mais facilmente, apresentam movimentos rápidos dos olhos, movimentos corporais e até vocalizações.  Lembrem-se: é nesta fase que eles podem estar tendo lindos sonhos! O bebê aprende de forma intensa diariamente. O cérebro do bebê é como uma esponjinha, absorve muitas informações, o tempo todo! Eles têm mesmo muito que sonhar…

Já na fase do sono tranquilo, o bebê parece mais calmo, está numa fase de sono profundo, sendo mais difícil ser despertado.

Bom, o ciclo de sono do bebê é mais simples, e se repete várias vezes por noite. Por isso o bebê pode despertar várias vezes e logo voltar a dormir.

Conforme o bebê cresce vai se adaptando a blocos de sono maiores e se aproximando a um ciclo de sono mais parecido com o do adulto. Cada bebê tem um tempo para estabelecer uma rotina de sono, e isso depende bastante da rotina da família.

O sono é uma necessidade vital, e assim como hábitos alimentares, é preciso direcionar o bebê desde o nascimento a ter bons hábitos de sono.

COMO AJUDAR NA AMAMENTAÇÃO

outubro 19, 2017

 A gente não se cansa de falar sobre a importância do aleitamento materno para a saúde da mãe e, principalmente, do bebê. Esse ato de amor ultrapassa os benefícios do contato mãe e filho e influencia diretamente na saúde do pequeno, fortalecendo a imunidade, combatendo a anemia e reduzindo consideravelmente as taxas de mortalidade infantil.

Mas para que a amamentação aconteça de forma saudável é preciso ressaltar alguns aspectos que beneficiam o aleitamento e os que deve ser evitado ao longo da amamentação.

Vamos lá!

A mamãe saudável produz mais leite.

A boa alimentação é essencial para que o leite transmita ao bebê os nutrientes necessários. São eles que auxiliaram no fortalecimento das defesas imunológicas do bebê, prevenindo infecções e preparando-o para o mundo externo. Por isso, a dieta da mamãe deve ser equilibrada, com aproximadamente 2500 calorias/dia, rica em ferro, cálcio e proteínas. A ingestão de aproximadamente 2000ml de água por dia, também é essencial para a mamãe e para o bebê!

O leite da mãe pode ser rico em vitamina D

A suplementação de vitamina D deve ser iniciada na gestação pela mãe e continuar inclusive e principalmente na fase da amamentação. O Ministério da Saúde criou a portaria N° 451 que inclui a vitamina nas diretrizes terapêuticas essenciais para o desenvolvimento do bebê e criança, alertando para o uso de 400 UI /dia desde o primeiro mês e até a adolescência, para evitar o raquitismo. De acordo com pesquisadores a suplementação materna diária com doses adequadas de vitamina D3 é saudável e uma alternativa para a suplementação direta de bebês que amamentam.

Evite o álcool e consuma café com moderação

Além de boa alimentação e suplementação de vitaminas, a mãe deve evitar bebidas alcoólicas e consumir café com moderação. Em excesso, o álcool altera o sabor do leite e o café afeta o sono do bebê. Também fique atenta aos alimentos, como: amendoim, castanhas e frutos do mar, que podem causar/ desenvolver alergia nos pequenos.

Os benefícios para as mamães que amamentam são inúmeros!

A amamentação não é benéfica só para o bebê, ela também traz inúmeros benefícios às mamães. Com o aleitamento há redução na incidência de câncer de mama, ovário, útero, osteoporose, doenças cardíacas e diabetes e ainda ajuda na recuperação do peso adquirido durante a gestação.

Agora mamães, vamos seguir essas dicas que podem ajudar durante a amamentação!

Por que o bebê está chorando?!

setembro 5, 2017

O choro dos bebês, muitas vezes, deixam os pais enlouquecidos! Isso porque pode ser muito difícil saber o motivo pelo qual o bebê está chorando. Até aprender a falar ou comunicar algumas coisas através de mímicas, a única forma que o bebê tem se se expressar é através do choro. É a única forma dele dizer que está com fome, com sono, com dor, com fralda suja, cansado ou irritado. O choro pode ser forte, estridente ou apenas um resmungo. E cada um desses choros pode ter um significado diferente e indicar a melhor forma de resolver a solicitação do bebê.

Existem algumas dicas para reconhecer a “mensagem” que o bebê tenta passar com cada choro, mas com o tempo os pais começam a se entender melhor com o bebê e reconhecem essas “mensagens” com mais facilidade. É preciso ter muita calma e paciência para não perder o controle.

FOME – antes de chorar pra valer o bebê costuma dar sinais de que está com fome, sugando a mão ou os dedos, e abrindo e fechando as mãos. Normalmente o choro começa curto e ritmado, e vai se intensificando.

CANSAÇO – você já deve ter ouvido falar que o bebê luta conta o sono, e isso acaba causando um choro irritado, nervoso, com pálpebras vermelhas e inchadas.

CÓLICA – O choro que responde à cólica parece inconsolável, alto, intenso, agudo e prolongado, deixa o bebê irritado, inquieto e desconfortável.

DENTINHOS – quando os dentinhos começam a nascer, entre 7 e 12 meses, o bebê fica rabugento e resmunga bastante. Durante o choro devido ao desconforto do nascimento dos dentes o bebê leva bastante as mãos na boca e saliva mais.

CARÊNCIA ou INSEGURANÇA – o bebê expressa sua vontade de ganhar um “mimo” através de um chorinho bem manhoso. Use e abuse dos colinhos.

DOR – quando o bebê sente um desconforto ou dor ele normalmente leva a mão ao local da dor, e o choro pode variar de um resmungo, um incômodo até um choro alto e intenso, a depender da percepção de dor de cada bebê e do motivo que esta gerando a dor.

DESCONFORTO – pode ser por calor, frio, algo incomodando como etiqueta de roupinhas, posição ruim no berço ou carrinho. É um choro irritado acompanhado de movimentos corporais diversos.

MANHA – é um choro irritado e, às vezes, exagerado. Aos 9 meses o bebê já é esperto o suficiente para saber que ele manda a “mensagem” através do choro e que os adultos são capazes de entender e atender suas solicitações. Assim, ele aprende que ele pode usar o choro também para conseguir coisas que não precisam ser comunicadas com choro. Um exemplo: você retira algo da mão do bebê que não é adequado para ele brincar, ele chora, e você devolve. Assim, ele vai sempre solicitar as coisas pelo choro, e não vai desenvolver as habilidades de se comunicar de outras formas para desejos controláveis.

SUSTO – é comum o bebê se assustar com atitudes bruscas, barulhos repentinos e altos, por exemplo. Normalmente o choro vem acompanhado de um salto ou tremor, e é um choro intenso ou magoado.

FRALDA SUJA – o bebê se contorce e fica irritado. O choro pode se um resmungo, ou um choro forte se a pele estiver com assadura devido ao contato com fezes e urina.

E aí, vamos decifrar os bebês?!

Amamentar à noite… pra quê?!

agosto 25, 2017

Uma das principais preocupações colocadas na cabeça das futuras e recém-mamães é a respeito das mamadas noturnas. Muitas escutam: “Aproveita para dormir agora, porque quando bebê nascer, acabou!”. Isso parece muito assustador! Mas quando a mãe entende a importância das mamadas noturnas, é possível ser mais paciente com esta fase que traz tantas recompensas a curto e longo prazo ao bebê e à mãe. Vocês vão entender o porquê!

Digamos que as mamadas noturnas significam “acordar agora para dormir bem depois”. A melatonina é o hormônio que regula o nosso sono. Em bebês, este hormônio pode ser produzido de forma irregular, e o bebê pode trocar o dia pela noite, por exemplo. Este hormônio é produzido quando estamos no escuro, e liberado quando fechamos os olhos. E sabe onde encontramos mais melatonina? No leite materno! Principalmente nas mamadas noturnas! Assim, a amamentação a noite supre esta deficiência, ajuda a induzir o sono do bebê e a desenvolver o ciclo de sono dele. O bebê que mama no peito acorda mais para mamar do que aqueles alimentados artificialmente, isso porque a digestão do leite materno é muito mais rápida, e eles acordam mesmo porque estão com fome! Mas em contrapartida, a qualidade do sono do bebê que mama no peito é muito melhor pela presença da melatonina passada a través do leite materno.

Outro hormônio importante para a amamentação é a prolactina, responsável por estimular a produção de leite. As pesquisas tem mostrado que a produção da prolactina também é maior à noite, ou seja, amamentar a noite “mostra” para o organismo que é preciso produzir mais leite para alimentar o bebê, quanto mais você amamenta (ou retira o leite), mais leite você vai produzir. Mães que não amamentam a noite (oferecem fórmula infantil nas mamadas da noite, por exemplo) tendem a ter a produção láctea diminuída e correm o risco de não conseguir suprir as necessidades do bebê.

Já que estamos falando de hormônio, não podemos esquecer o hormônio do crescimento, o GH, que na infância é liberado principalmente durante o sono.

Além de tudo isso, e especialmente sobre a liberação da melatonina, o leite materno noturno também é rico em outras substâncias indutoras do sono e estimuladoras do sistema nervoso central do bebê, como o triptofano. Ou seja, mamar a noite também significa oferecer ao bebê subsídios para um melhor crescimento e desenvolvimento neurológico.

Não que seja fácil acordar às 3h da manhã para amamentar o bebê, mas agora você consegue perceber que tudo isso é parte fundamental para a adaptação, crescimento e desenvolvimento do seu bebê? E o quanto seu leite da noite é especial e único?

E acreditem, apesar de parecer ter benefícios (importantíssimos) apenas para o bebê, estudos têm revelado benefícios para as mães que amamentam a noite também, como diminuição do risco de depressão pós-parto, manutenção natural da produção láctea e, no saldo final, mães que amamentam a noite tem mais horas de sono do que mães que alimentam os bebês com fórmula!

E em longo prazo, estudos tem mostrado também que bebês que mamam à noite podem ter menos risco de distúrbios de humor, previne obesidade na vida adulta e reduz os riscos de desenvolver Alzheimer.

Somado a estes efeitos fisiológicos, é importante saber que o bebê precisa aprender a sua rotina diária, e ter uma rotina é extremamente importante para o bebê desde os primeiros dias de vida. Um bebê sem rotina significa uma criança, um adolescente e um adulto com dificuldade em ter rotina. Crie um “ritual do sono” para o seu bebê. À noite, faça brincadeiras menos agitadas, faça uma leitura, conte histórias ou apenas converse com o bebê! Ouça uma música tranquila e mantenha as luzes baixas na casa. Assim, você vai ajudar o seu bebê a “treinar” o ciclo de sono dele. Outra dica importante: durante as sonecas do dia, deixe a casa funcionando normalmente, com os ruídos e iluminação rotineira; à noite, diminua os ruídos e deixe o ambiente escuro (o máximo possível) para dormir, assim ele vai entender que durante o dia ele tira “sonecas”, e a noite, ele dorme de verdade! Isso também auxilia muito no desenvolvimento do ciclo de sono do bebê e impede que ele troque o dia pela noite.

 

Picos de crescimento dos bebês

agosto 11, 2017

Em algum momento você achou que o seu bebê estava mamando mais que o normal, ou cresceu de repente, mudou inclusive a fisionomia de uma semana para a outra? Pois bem, você não estava errada, isso realmente aconteceu.

Quando o bebê nasce tudo se torna totalmente estranho, novo, são cheiros, formas, luzes, fome, dor, sono, frio, calor, milhões de sensações e sentimentos novos que ele não sentia no útero materno, que ele ainda não compreende.

Cada mês de vida do bebê muitas mudanças ocorrem e são aparentemente visíveis. Os bebês mudam a sua aparência física, a cor dos olhos, a cor dos cabelos e também descobrem coisas novas, começam a focar seus olhos em um objeto, começam a sorrir, a pegar os objetos com as mãos, cada mês é uma novidade.

Essas mudanças e habilidades não são adquiridas gradativamente, dia após dia e sim adquiridas em picos. Por exemplo, uma coisa que acontece com todos os bebês e que demonstra esse crescimento são as roupas do bebê. Você já reparou que simplesmente de uma semana para a outra as roupas deixam de servir? O crescimento e o aprendizado dos bebês têm esses períodos de aceleração, momentos de grande “explosão” e outros de desaceleração, por isso são chamados de Picos de crescimento.

Durante os picos de Crescimento os bebês sentem uma necessidade maior de mamar, eles precisam de mais alimento e nutrientes, pois é exatamente nesses períodos que os bebês crescem e engordam mais.

A produção de leite da mãe acompanha esse ritmo e como nesses períodos os bebês acabam precisando de mais leite, eles necessitam mamar mais vezes para conseguir suprir toda a sua necessidade.

É importante alimentar os bebês sempre que eles solicitarem durante as crises, pois é uma questão de necessidade e não de fugir da rotina. Aliás, a amamentação em livre demanda é indicada em qualquer momento.

Nos picos de crescimento o bebê fica mais agitado, acorda várias vezes a noite desejando mamar a cada hora e muitas vezes sugando com mais força.

É fundamental os pais estarem cientes de que essa fase vai chegar, e que para alguns bebês será mais difícil que para outros, mas acontece com todos e não significa que a mãe está produzindo menos leite, na verdade é o bebê que esta sentindo mais necessidade de alimento para crescer. O ideal é deixar ele mamar o quanto ele quiser, de hora em hora, várias vezes a noite, assim, a produção de leite aumentará de acordo com a necessidade dele.

Não é uma fase fácil de passar, pois é muito cansativa,  mas logo tudo volta ao normal. Cuidado para não cometer alguns erros comuns, como o de introduzir fórmulas infantis desnecessariamente, por achar que o fato do bebê mamar mais, com maior frequência  e mais vigor está sendo causado pela falta de leite.  Converse sempre com o pediatra do seu filho e não se desespere!

Mas afinal, quando isso pode acontecer com o meu bebê e por quanto tempo vai durar?

Geralmente uma semana, mas cada bebê tem necessidades diferentes e esse tempo pode variar. De qualquer forma não são períodos longos, alguns picos duram 2 dias, outros 7, outros 10.

O quadro abaixo mostra quando isso pode acontecer com o seu bebê, mas devemos lembrar que pode variar de um bebê para o outro.

 

 

Picos de crescimento

 

7-10 dias

2-3 semanas

4-6 semanas

3 meses

4 meses

6 meses

9 meses

BabyCoach

25ª SEMANA MUNDIAL DE AMAMENTAÇÃO

agosto 4, 2017

Estamos na 25ª semana mundial de amamentação e o tema esse ano foi sobre O TRABALHO CONJUNTO PARA O BEM COMUM.

E nós do blog enlaçados juntamente com a empresa BacyCoach não poderíamos ficar de fora dessa  e dar a nossa contribuição sobre esse tema tão lindo, o qual amamos falar!

Este mês estamos comemorando o Agosto Dourado em apoio ao aleitamento materno. A cor dourada está relacionada ao padrão ouro de qualidade do leite materno, além disso é uma cor toda especial, que já percorre o mundo com o seu laço simbólico. São trinta dias, em que são celebrados a promoção, a proteção e o apoio ao aleitamento.

Há cerca de vinte anos, entre os dias 1º e 7 de agosto acontecem ações, no mundo todo, em prol da amamentação e a Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) faz parte de uma história focada na sobrevivência, proteção e desenvolvimento da criança.

Os objetivos desse ano é buscar o apoio dos governos e diversos setores da sociedade para PROMOVER, PROTEGER e APOIAR a amamentação; construir alianças sem conflitos de interesses para fortalecer as políticas e programas de aleitamento materno e alimentação infantil; e mobilizar e desenvolver ações para a promoção, proteção e apoio à amamentação e práticas adequadas de alimentação infantil.

O slogan da campanha esse ano é Amamentar: ninguém pode fazer por você. Todos podem fazer JUNTO com você! E a intenção é desencadear ações conjuntas em prol da amamentação, afinal juntos somos mais fortes.

Como bem sabemos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a amamentação é a principal forma de fornecer ao bebê os nutrientes necessários para sua sobrevivência e seu desenvolvimento. Nos primeiros seis meses de vida, o ideal é ocorrer o aleitamento materno exclusivo, sem a complementação com nenhum alimento e se estender até os dois anos ou mais, combinados com outros alimentos. A estimativa é que a amamentação exclusiva até os 6 meses salve pelo menos 6 milhões de crianças no mundo todo.

Além dos benefícios proporcionados pela amamentação aos bebês, o aleitamento contribui e muito para a saúde das mamães. Além da perda de peso e recuperação pós-parto mais rápida, a amamentação previne na mulher o câncer de mama, de útero e ovário, diminui os riscos de hemorragia pós parto e estreita a relação mãe-filho.

No mundo, apenas 40% das crianças são amamentadas exclusivamente, até seis meses de idade. A meta global até 2025, é que pelo menos 50% dos lactentes sejam amamentados (OMS – Organização Mundial da saúde)

Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS “A amamentação dá aos bebês o melhor começo possível na vida”, além disso, “O leite materno funciona como a primeira vacina de um bebê, protegendo-o de doenças potencialmente mortais e dando-lhe todo o alimento que precisa para sobreviver e prosperar”.

Sabemos o quanto é difícil amamentar e persistir. Não é um caminho fácil a ser percorrido, por isso vamos incentivar, apoiar e ajudar aquelas mulheres que estiverem com alguma dificuldade na amamentação. E essa ajuda não é aquela palpiteira não, mas sim oferecer a ajuda necessária, demonstrando apoio, ensinando estratégias que ajudem na amamentação e levando informação de qualidade e que possa ajudá-la.

Além disso, vamos cobrar mais eficácia das políticas públicas voltadas para esse tema, com o aumento do investimento governamental, de forma que o jogo de interesses entre governo e indústrias seja deixado de lado e a saúde das crianças seja nosso objetivo maior!

#SMAM2017 #JuntosPelaAmamentação #AleitamentoMaterno #AgostoDourado #PadrãoOuro

 

 

 

 

Precisamos Falar de Icterícia!

julho 21, 2017

A icterícia neonatal ou icterícia do recém-nascido é um quadro que provoca coloração amarelada na pele e nos olhos de um bebê recém-nascido.

A icterícia aparece no bebê saudável quando o sangue fica com excesso de uma substância chamada bilirrubina (hiperbilirrubinemia), que é produzida durante o processamento pelo organismo dos glóbulos vermelhos de que ele não vai precisar mais. Os recém-nascidos tendem a ter níveis de bilirrubina mais elevados porque possuem hemácias extras no corpo, e seu fígado ainda não consegue eliminar o excesso de bilirrubina.

Na maioria dos bebês, a iciterícia é um fenômeno normal e transitório. No entanto, em alguns casos, os níveis sanguíneos de bilirrubina podem elevar-se excessivamente, alcançando níveis que são tóxicos para o sistema nervoso central.

A icterícia fisiológica, que é aquela que é considerada normal e esperada, inicia-se entre o  3º e 10º dias de vida e desaparece em até 2 semanas. Nos bebês prematuros, ela pode demorar um pouco mais. Como a imensa maioria dos recém-nascidos melhora espontaneamente da icterícia, o tratamento só é indicado nos casos mais graves.

Quando a icterícia é bem leve, o médico pode indicar apenas um banho de sol de cerca de 15 minutos de manhã e à tarde, antes das 10h e depois das 16h. O banho de sol ativa a produção de vitamina D, que além de facilitar na absorção do cálcio, também ajuda a eliminar a bilirrubina em excesso no corpo.

A fototerapia é o tratamento mais utilizado para baixar os níveis mais altos de bilirrubina no sangue. O recém-nascido é colocado sob uma luz azul fluorescente que age quebrando a molécula de bilirrubina depositada na pele em pedaços, facilitando a sua excreção na urina e nas fezes. A melhora do caso pode se perceber muito rápido já que a pele que antes estava bem amarela começa a tomar tons mais normais já no segundo banho de sol, ou primeiro dia de fototerapia.

A luz ultravioleta ou a luz do sol agem na pele do bebê transformando o excesso de bilirrubina em substâncias que são mais fáceis de serem eliminadas pelo fígado.

Mais de 50% dos bebês saudáveis e absolutamente normais ficam com a pele amarelada nos primeiros dias depois de nascer. Se isso acontecer com seu bebê, não é preciso se apavorar, mas é preciso falar com o pediatra. Porém, devemos lembrar que a icterícia pode alcançar níveis mais altos e graves, se não tratada. Por isso a importância do banho de sol e consultar o pediatra para uma avaliação completa.

O que importa mesmo é o bebê tomar banho de sol independente de ter ou não sinais da icterícia neonatal aproveitando o solzinho da manhã ou da tarde!

Passeios com o recém-nascido – Um alerta aos pais!

junho 30, 2017

Assim que o bebê nasce, a maior vontade dos pais é mostrá-lo para todo mundo e agregar isso à um bom passeio é melhor ainda, certo? Porém, alguns cuidados devem ser tomados, afinal o bebezinho ainda é muito frágil e não está protegido contra várias doenças, que podem ter consequências sérias.

Mas quanto tempo esperar até que eu possa sair e passear com um recém-nascido?
Não existe uma recomendação exata sobre o momento em que é permitido sair de casa com um recém-nascido. Porém, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) o ideal é que os recém-nascidos se ausentem de casa apenas nas necessidades: consulta médica, vacinação, realização de testes de triagem neonatal (ou mais conhecido como Teste do Pezinho). Ir ao shopping ou a festinhas de crianças não é recomendado pelo risco de contrair alguma doença e isso ocorre pelo fato de serem locais fechados, sem ventilação adequada e com um grande aglomerado de pessoas. O mais recomendado é ficar em casa, se possível, até o final do segundo mês de vida, momento em que o bebê já se adaptou a amamentação e recebeu as primeiras vacinas para sua proteção imunológica.

Caso você precise sair de casa e levar o seu bebê, lembre-se de que o ideal é que sejam passeios breves, em locais tranquilos, arejados e com pouca gente, preferencialmente ao ar livre. Evite que as pessoas toquem no rosto do bebê; não permita beijinhos de estranhos (podemos não saber quem está doente ou não) ou que o peguem no colo se estiver dormindo. Os recém-nascidos precisam de muitas horas de sono e não devem ser incomodados quando estiverem descansando, isso pode lhes causar um estresse desnecessário. Os bebês muito novinhos não devem sair de casa com mais frequência do que o necessário!

Os banhos de sol podem ser feitos no quintal de casa, ou na área aberta do prédio (em um momento com pouca circulação de pessoas)e no período da manhã.