Arquivos por mês

março 2017

Organização Sustentável!

março 29, 2017

Ideias para organizar seu quarto Craft

A maioria das “arteiras” de plantão sentem bastante dificuldade em organizar seu espaço de trabalho (seja ele um atelier grande, um quarto ou apenas uma mesa e um armário). A dificuldade dá-se pela quantidade de materiais são tantas fitas, tecidos, aviamentos, muitas miudezas que se não forem bem organizadas acabam se perdendo no meio da bagunça…

Por isso resolvi mostrar algumas ideias e soluções para poder otimizar o espaço e organizar o local onde você exercita a sua criatividade.

Dica: não jogue fora os potes de sorvete, latas de leite, vidros de azeitonas, eles podem ser ótimos aliados na organização e ainda por cima você recicla algo que iria para o lixo, ajudando assim a natureza.

17

112

16

20

19 (1)

111

18

22 (1)

113

50a2afa2879e7eb8bd102ece7f45bd35

114a13bfc7780f0423c5d9c878d946f1

Studio Face

Não perca nenhuma dica sobre decoração! Faça parte da nossa lista VIP!

Organizar para Casar! Como iniciar os preparativos sem traumas futuros!?!

março 27, 2017

A festa de casamento é, sem dúvida, a festa mais esperada e desejada na vida de um casal. Acontece que organizar esse sonho, pode se tornar um pesadelo. E para que sua festa seja um prazer do início da organização ao fim do dia mágico, existem alguns pontos, regras a serem seguidas.

Primeiramente é importante DEFINIR O ORÇAMENTO disponível, ou seja, quanto de dinheiro vocês podem e querem gastar com a festa. Feito isso, vamos lembrar que quando se faz uma festa, se faz para alguém. E além de vocês, o casal, os convidados também são peças fundamentais desde o início. Logo, comece pela temida LISTA DE CONVIDADOS. Dessa forma, vocês já saberão qual o “tamanho” da sua festa. Mas lembre-se: tamanho não é documento, e muito menos sinônimo de qualidade! Então, se for preciso cortar aquele amigo do seu pai que trabalhou com ele no escritório antigo, ou mesmo aquela tia da sua mãe que nunca participou da sua vida, não hesite. Trata-se de realizar seu sonho e não de aguardar terceiros. O que importa é que as pessoas queridas estejam presentes, bem servidas e curtindo muito a alegria de vocês.

01

Definida a lista, vamos pensar na DATA E LOCAL. Esses dois itens caminham juntos, já que, de repente você sonha em casar em um local aberto, um gramado por exemplo. Sendo assim, evite meses chuvosos. E por quê definir data e local depois da lista? Veja bem, se sua lista for para um mini wedding você pode escolher entre em um bistrô elegante, algum salão mais aconchegante, pequeno. Já se sua lista for para 300 convidados, você não poderá casar em um espeço pequeno, precisará de um salão ou área maior. E ainda no caso dos seus convidados serem de fora da cidade onde será a festa, há que se pensar em hotéis, horas de viagem, tempo para que eles se recuperem dessa viagem, enfim, cuidar disso, pode implicar na data (você pode optar por um feriado prolongado, por exemplo).
Façam essa primeira parte ORÇAMENTO/ LISTA/ DATA E LOCAL, com pelo menos 1 ano e meio de antecedência! E se necessário já envie um Save The Date aos convidados de fora para reserva de hotel.

02

Depois de fechar data e local, esta na hora de procurar os fornecedores que normalmente trabalham com datas limitadas ou exclusividade de data: BUFFET/ FOTO/ VÍDEO/ BANDA ou DJ/ CABELO e MAQUIAGEM. É interessante que esses fornecedores estejam fechado cerca de 1 ano antes do casamento. Garantindo então a data com o fornecedor de sua preferência, vamos agora eliminar os de maior custo: DECORAÇÃO e VESTIDO (caso seja em um ateliê).
No momento em que você chega nesse ponto, o estilo da festa tem que estar totalmente definido! Se será uma festa de dia, por exemplo, sua decoração deverá ser mais delicada, alegre… Seu vestido não pode ser cheio de brilho, enfim, nesse momento você já deverá saber se sua festa será clássica ou folk, mais glamorosa ou mais delicada. Aqui, deve faltar no máximo 8 meses para o seu casamento, senão você poderá se atrasar com o cronograma.

03

Nos seis últimos meses, você terá a impressão que está tudo pronto. Mas não! É importantíssimo tudo que citei anteriormente estar definido e contratado, porquê agora é hora dos detalhes, e são muitos detalhes!!! DOCE/ BOLO/ FORMINHA DE DOCE/ BEM CASADO/ CONVITE/ ESCOLHA DAS MÚSICAS DA CERIMÔNIA/ BOUQUET/ SAPATO/ ACESSÓRIOS/ CARTÓRIO… e não pára por aí, qualquer outra detalhe é agora a hora, se quiser por exemplo dar lembrancinhas, coffee off, tudo. E ainda vai ter que ter tempo para possíveis imprevistos.
Tudo isso, ainda lidando com a ansiedade, a montagem da nova casa, as milhares de opiniões e palpites que surgem, enfim, tente não surtar e lidar de forma leve com tudo isso! A festa dura algumas poucas horas, o preparo dura mais de um ano. Curta preparar, tenha prazer nisso! É do que mais terá saudade quando a festa acabar!

Não perca nenhuma dica para o seu casamento! Faça parte da nossa lista VIP!

BRONQUIOLITE! CUIDADO, PAPAIS! Aprenda a reconhecer os primeiros sintomas.

março 24, 2017

Recentemente a jornalista Rafa Brites, esposa de Felipe Andreolli, compartilhou na internet o ocorrido com seu filho Rocco de apenas 1 mês de vida.
Seu bebê precisou ficar internado durante 6 dias em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), após ser diagnosticado com bronquiolite, doença causada pelo vírus Sincicial Respiratório (VSR).
Essa doença pode não causar muito impacto em adultos ou crianças maiores que dois anos, porém, para bebês menores de 6 meses, essa pode ser uma doença com complicações respiratórias graves e às vezes até fatais. A bronquiolite é uma inflamação dos bronquíolos (parte final dos brônquios) causada por um vírus e agravada pelo acúmulo de muco, o que dificulta a passagem do ar e pode causar sintomas parecidos com a asma.

Bronchiolitis

Pais de bebês prematuros devem ter um cuidado redobrado, pois são mais suscetíveis à esse vírus!
Os sinais geralmente são leves e muito parecidos com o de um resfriado, porém no caso da bronquiolite esses sintomas se tornam mais intensos com o passar dos dias, causando tosse e dificuldade para respirar. Se seu filho corre mais risco de ter complicações ou se você está em dúvida, o melhor é procurar uma avaliação médica.
Estejam atentos aos seguintes sinais de problemas respiratórios e procure o pediatra imediatamente:

• Narinas mais abertas e grande expansão da caixa torácica a cada respirada
• Pele recuada demais entre as costelas, acima da clavícula ou abaixo da caixa torácica durante a respiração.
• Contração dos músculos abdominais ao respirar (este e os dois sintomas anteriores juntos são chamados de desconforto respiratório. A criança precisa fazer muito esforço para conseguir respirar)
• Chiado com um som de apito ao respirar
• Tosse
• Falta de apetite
• Lábios e unhas azulados
• Febre (alta ou não)

bebe doente

E como é o tratamento para a Bronquiolite?
Nos casos mais leves, quando não há desconforto respiratório (tosse com chiado, falta de ar, etc), você pode cuidar de seu filho em casa, controlando a febre e mantendo o bebê sempre hidratado, com água (quando já introduzida na alimentação) ou leite materno ou não (De acordo com o que você está oferecendo para seu filho).
A internação só se faz necessária quando a criança precisa de cuidados mais específicos no hospital, como hidratação mais rigorosa (receber soro por via venosa), oxigenoterapia (aplicação médica de oxigênio, que pode ocorrer por inalação, por exemplo) e de fisioterapia respiratória (exercícios que ajudam a eliminar secreções), para que o desconforto seja amenizado. As crianças que integram os grupos de risco têm mais chances de serem hospitalizadas, fazendo-se necessário em alguns casos a internação inclusive, em UTI.

bebe

O melhor remédio é a prevenção!!
Não há uma vacina específica para a doença, mas existem formas de preveni-la: evite levar seu filho para locais com aglomerações e contato próximo com pessoas doentes, especialmente nos primeiros meses de vida. Além disso, qualquer pessoa que tiver contato com o bebê deve sempre lavar corretamente as mãos, um cuidado fundamental para evitar não só essa, mas diversas doenças. A lavagem das mãos é a principal forma de prevenção para doenças que são transmitidas por contato, como é o caso dessa.
O principal é que os pais fiquem atentos ao aparecimento dos sintomas e que busquem por uma avaliação médica o quanto antes.

BABY COACH

Não perca nenhuma dica para o seu bebê! Faça parte da nossa lista VIP!

QUANDO NASCE?

março 17, 2017

Aprenda a calcular a data provável do parto!

Os cálculos se iniciam desde quando se planeja uma gestação: Quantos filhos quero ter? Quando quero engravidar? Quanto preciso gastar? E então a gestação acontece, e começam as perguntas que te fazem continuar com os cálculos: De quantas semanas está? Quanto é isso em meses? Quando nasce? OPA! Quando nasce?! Você já pensou nisso?!

Muitos casais planejam a gestação baseados na situação financeira do momento, na idade do casal, no tempo de casados… Outros querem que o bebê nasça em algum mês específico! Mas existem também aqueles bebês que “se planejam”! E vêm como surpresa para os pais! Não importa quando ele será concebido! O importante mesmo é saber quando o bebê vai chegar!

Vocês já pensaram o quanto é importante saber uma data prevista para o nascimento do bebê? Ter uma ideia do período em que será mais provável a chegada do bebê pode facilitar um planejamento e uma programação da família para receber o pequeno! Os pais podem se programar no trabalho, os familiares podem se programar para auxiliar nos primeiros dias, o enxoval pode ser feito baseado na época do ano em que o bebê irá nascer, e muito mais.

post17

Se você tem um ciclo menstrual bastante regulado, o cálculo da data provável do parto (DPP) pela data da última menstruação é mais confiável. Mas se você não tem um ciclo regular, ou não sabe exatamente a data da sua última menstruação, então a melhor forma de calcular a DPP é pela ultrassonografia. Mas lembre-se que quanto mais precoce a ultrassonografia, mais confiável a DPP, então se deve sempre considerar o primeiro exame, que pode ser realizado da 5ª à 10ª semana de gestação.

Outra forma de indicar uma possível idade gestacional para calcular uma provável DPP é medir a altura uterina (o tamanho da barriga) com a gestante deitada. Mas este não é um método muito confiável para determinar a DPP, pois a altura uterina pode variar dependendo da estrutura corpórea da mulher e do tamanho do bebê.

Você pode juntar todos esses métodos para confirmar a sua DPP! Então vamos lá aprender a calcular a DPP pela data da última menstruação.

A duração da gestação é de 280 dias, ou 40 semanas (10 meses lunares). Mas como o corpo humano não aceita uma matemática exata, e uma vez que os ciclos menstruais variam de mulher para mulher, a duração da gravidez completa (a termo) pode variar entre 37 e 42 semanas. Por isso consideramos que estamos calculando um período provável para o parto, podendo variar duas semanas a mais ou a menos da data calculada.

post172

Vamos aos cálculos!!!

Se a sua última menstruação foi nos meses de Janeiro, Fevereiro ou Março:

  • Some 7 ao dia
  • Some 9 ao mês
  • Mantenha o mesmo ano
  • Exemplo:

Última menstruação: 16/02/17           16+7 / 2+9 / 2017           DPP = 23/11/2017

Se a sua última menstruação foi nos meses de Abril a Dezembro:

  • Some 7 ao dia
  • Subtraia 3 do mês
  • Some 1 ao ano
  • Exemplo:
  • 20/08/2016 20+7 / 08-3 / 2016+1         DPP = 27/05/2017

Mas, se a soma do dia ultrapassar 30 ou 31 (28 ou 29 em Fevereiro), dependendo do mês, considere o mês seguinte. Exemplo:

  • Última menstruação: 28/02/17 28+7 / 2+9 / 2017          35/11/2017   35-30     DPP = 05/12/2017

Se a soma do dia ultrapassar 30 ou 31 e for Dezembro, deve considerar o mês e o ano seguinte também. Exemplo:

  • Última menstruação: 27/03/17 27+7 / 3+9 / 2017          34/12/2017    34-31    DPP = 03/01/2018

 

BABY COACH

Não perca nenhuma dica para o seu bebê! Faça parte da nossa lista VIP!

9 EXEMPLOS DE MACRAMÊ PARA DEIXAR SUA CASA AINDA MAIS LINDA!

março 16, 2017

Usando Macramê para deixar sua decoração exclusiva e pessoal

Quando penso em decoração , penso em história, sim a decoração de uma casa deve contar uma história, cada item escolhido aleatoriamente ou não, vem de um sentimento profundo carregado de referências pessoais e história de cada um que escolhe. E quando se fala em decoração de casa até existem algumas regras, mas sabemos que o que manda é o nosso coração, e por isso as casas estão cada vez mais cheias de móveis de vários estilos misturados (a poltrona retrô de herança da vovó com o aparador ultra moderno, são exemplos), móveis e acessórios artesanais que remetem ao aconchego do nosso lar de infância ou até do nossos avós e este é o exemplo do macramê (saiba o que é AQUI). Atualmente o marcam voltou a ser usado só que de uma forma mais sofisticada e hoje quero compartilhar algumas referência de itens decorativos feitos de macramê que tem muito me inspirado e que com certeza em algum canto no nosso apartamento vai aparecer…

Os tutoriais de macramê são fáceis e baratos como todo bom projeto DIY tem que ser.

Espero que gostem!!!

PA201238

pink-macrame-wall-hanging35

final41

final11

diy-macrame-wall-hanging-098-640x853

Fall-For-DIY-Hanging-Macrame-Pumpkins-DIY (1)

11106

2329-630x542

871Studio Face

Não perca nenhuma dica sobre decoração! Faça parte da nossa lista VIP!

OS 7 PECADOS CAPITAIS DO CASAMENTO E OS 6 FATORES FUNDAMENTAIS!

março 13, 2017

Com 20 anos de experiência clínica, Luiz Alberto Hanns lança livro em que desvenda “A Equação do Casamento”. Entenda e veja, ainda, os sete pecados capitais da vida a dois.
Viver a dois é uma arte. Saber lidar com os desafios de estar casado hoje em dia é o que o psicólogo Luiz Alberto Hanns propõe no livro “A Equação do Casamento – O Que Pode (ou Não) Ser Mudado na Sua Relação” (Editora Paralela), uma coletânea dos temas de conflito e convergências do casamento compilados ao longo de seus 20 anos de experiência clínica.

1: Esperar do outro o que ele não pode dar. A responsabilidade de ser feliz é de cada um.

2: Não pedir desculpas. É preciso manter a conexão emocional e a empatia com o(a) parceiro(a).

3: Não se comunicar. Combine uma conversa periódica para dar espaço à comunicação do que se sente falta no relacionamento.

4: Zombar do parceiro e fazer comparações com outras pessoas em público é um dos deslizes mais comuns. Evite.

5: Antipatizar, fazer intrigas ou falar mal de parentes e amigos do cônjuge. “Tem que ser agregador nas relações familiares e sociais”, recomenda Luiz Alberto Hanns.

6: Atribuir intenções negativas ao outro torna a comunicação destrutiva. Sem atacar o companheiro, o ideal é ser claro e objetivo em relação ao que incomoda.

7: Adotar uma postura passiva-agressiva. Não seja frio e distante, há modos de ficar quieto e esperar a tempestade passar sem se fechar. Enfrente a situação.

casal-na-cama-triste-15355

Palestrante com os cursos mais disputados na Casa do Saber, centro de debates em São Paulo, o autor, que atualmente ministra uma série de encontros sobre o tema iniciada no final do mês passado, sugere que cada um monte a sua própria equação do casamento, com base em negociações e ajustes de desejos próprios e do(a) companheiro(a). Enxergar as fortalezas e vulnerabilidades da relação e entender o que pode ou não fazer você feliz no casamento depende de seis fatores.

Parcial na maioria dos casamentos, a COMPATIBILIDADE PSICOLÓGICA é o primeiro deles. “É muito raro existir um casal totalmente compatível”, analisa Luiz. Um tipo de desencontro muito comum é um cônjuge ser perfeccionista e o outro, bagunceiro. “Diferentemente das uniões do século 20, em que as pessoas se conformavam com seus status, no casamento contemporâneo as pessoas se incomodam mais e precisam aprender a negociar com suas diferenças”, avalia.

Saber lidar com divergências sem ter de brigar é do que trata o segundo fator, que são as COMPETÊNCIAS DO CONVÍVIO a dois. Daí a importância de seguir uma etiqueta de casamento e convívio, que preserva o casal e estabelece a conexão com o parceiro. Hanns acredita que manter boas maneiras propicia o aumento da taxa de satisfação e, consequentemente, a redução na de divórcio.

A varinha de condão de uma relação moderna, que ajuda a ajustar as complementaridades, são os GRAUS DE CONSENSO, o terceiro fator. “A maioria dos casais tem um grau médio de consenso. A principal divergência diz respeito a direitos e deveres de gênero e educação de filhos”, aponta. Aliás, este é o grande motivo dos conflitos matrimoniais, pois a maioria dos casais tem altas expectativas em relação a gostos e interesses em comum.

O ponto quatro é a VIDA SEXUAL, que pode ser incrementada para não se tornar uma tumba matrimonial. “As competências do convívio a dois não garantem o tesão, mas ajudam a manter o que existe e não destruí-lo”, relaciona o terapeuta. A conexão emocional pode ajudar muito com as assimetrias sexuais. Talvez porque ao longo do casamento as pessoas não vivam na cama: há filhos, zeladorias domésticas, lazer. Portanto, não basta que apenas a cama seja boa.

O quinto fator é o ESTRESSE E VIDA COTIDIANA. São os filhos problemáticos, desemprego, problemas financeiros e até parentes invasivos. Como frustrações externas são comuns na vida moderna, Hanns alerta que as pessoas estão mais e mais nervosas. “Elas tendem a se tornar agressivas, intolerantes e associar o parceiro a zeladorias chatas e o amante a momentos gostosos e leves”.

Logo, quanto mais o casal tiver fontes de gratificações externas, como vida social divertida, sucesso no trabalho, vida familiar gratificante, melhores são as chances de não sobrecarregar a relação com as frustrações. “Casais harmônicos que têm tudo podem sucumbir e se separar se forem submetidos a um excesso de estresse”, diz.

O sexto fator tende a manter o casal mais unido. Trata-se das VANTAGENS DE ESTAR CASADO. “Este ajuda o casal a tolerar mais, em prol do valor que se atribui a estar casado”, explica. As razões são diversas: seja porque são dependentes do cônjuge ou porque têm medo de viver sozinhos. Para avaliar seu casamento e descobrir se ele é ótimo, médio ou insuportável, some todos os fatores. Ao descobrir o peso de cada um deles, o casal saberá o que poderá ou não ser mudado em sua relação, desde resgatar uma união em crise a lidar com um caso de infidelidade, passando pelo ajuste da sintonia sexual.

casal-triste--700x350

Erros e soluções

Para superar as divergências, Hanns aconselha ouvir o outro e construir um caminho junto ao cônjuge, aquele que contemple o consenso. “É preciso entrar no conflito de maneira leal”, recomenda.

Portanto, não se pode usar uma comunicação destrutiva, atribuindo intenções negativas ao outro. “É importante ser específico ao dizer como se sente e ater-se ao mérito da questão”.

Um grande erro que pode marcar o resto do casamento é antipatizar, fazer intrigas ou falar mal de parentes e amigos do cônjuge. “Tem que ser agregador nas relações familiares e sociais”, Hanns pontua.

Zombar do parceiro e fazer comparações com outras pessoas em público também é um dos pecados do casamento. “Faça piadas sobre si mesmo e fale sempre a partir da própria experiência”, recomenda.

Não há problema em errar. Mas é fundamental aprender a pedir desculpas, manter a conexão emocional e a empatia com o parceiro. De tempos em tempos, o especialista aconselha o casal a instituir uma conversa em que cada um possa dizer ao outro do que sente falta, puxando sempre pelo lado positivo. “Manter o contato e a abertura para entender as necessidades do companheiro é importantíssimo”, diz Hanns, que finaliza: “Acima de tudo, não se pode querer do outro o que ele não pode dar”.

Fonte: Delas – iG 

Não perca nenhuma dica para o seu casamento! Faça parte da nossa lista VIP!

VACINAS: FIQUE POR DENTRO DA MUDANÇA NO CALENDÁRIO VACINAL!!!

março 11, 2017

Novo calendário vacinal 2017

O ministério da saúde divulgou as alterações no calendário nacional de vacinação para 2017. Nós vamos trazer para vocês todas as mudanças para que todos os pais fiquem atentos e não percam a data correta de levar o bebê ou a criança aos locais indicados pelo governo para que as mesmas possam estar atualizadas quando falamos de prevenção de doenças.

Lembrando que para as gestantes, também tiveram mudanças. Fiquem atentas!

Neste ano, foi ampliado o público-alvo de seis vacinas: tríplice viral, tetra viral, dTpa adulto, HPV, Meningocócica C e  hepatite A.

Veja a seguir o que muda no novo calendário:

unnamed

O objetivo da mudança nas vacinas contra hepatite A e Varicela (sarampo) é aumentar a proteção das crianças, garantindo elevadas coberturas vacinais.

Já o objetivo da mudança da vacinação contra o HPV nos homens é prevenir os cânceres de pênis, ânus, garganta e verrugas genitais. E nas mulheres é a redução da incidência do câncer de colo de útero e vulva nas mulheres, já que os homens são responsáveis pela transmissão do vírus para suas parceiras.

A Vacina contra meningite C aumentou também o primeiro reforço para até 4 anos de idade, depois o próximo reforço em adolescentes de 12 a 13 anos. Essa mudança aconteceu após estudos  mostrarem que em longo prazo, esse tipo de vacina apresentam uma diminuição da proteção, após a criança ser vacina no período da infância. Por isso, a vacinação de adolescentes proporciona proteção direta desses grupos etários. Também estende a proteção a indivíduos não vacinados.

A dTpa  que protege contra difteria, tétano e coqueluche agora é recomendada 1 dose a cada gestação, a partir da vigésima semana (20ª) de gestação ou caso a mulher não tenha tomado durante a gravidez é indicado a vacinação no puerpério (até 45 dias após o parto). O objetivo dessa ação é aumentar a oportunidade de imunização das gestantes, visando passagem de anticorpos ao bebê para proteção da coqueluche durante a gravidez e evitar que a mãe possa transmitir a coqueluche para o recém nascido durante o puerpério.

O Sus oferece todas as vacinas recomendadas pela OMS. São elas:

São 17 vacinas para proteger contra mais de 20 doenças
1. BCG – (Tuberculose)

2. Hepatite B

3. Penta – DTP/Hib/Hep B

4. VIP – vacina inativada Poliomielite

5. VOP – vacina oral contra a Pólio

6. VORH – vacinal oral de Rotavírus Humano

7. Vacina Pneumocócica 10 valente – doenças causadas por pneumococos (penumonia, menigite)

8. Vacina febre amarela

9. Tríplice viral – sarampo, rubéola e caxumba

10. DTP (tríplice bacteriana) – difteria, tétano e coqueluche

11. Vacina meningocócica conjugada tipo C – meningite

12. Influenza

13. Tetraviral – Sarampo, rubéola, caxumba, varicela

14. Hepatite A

15. HPV

16. dTpa (gestantes) – difteria, tétano e coqueluche

17. dT (Dupla tipo adulto) – tétano e difteria

 

Vamos ficar atentos para não perder nenhuma vacina!

BABY COACH

Não perca nenhuma dica para o seu bebê! Faça parte da nossa lista VIP!